segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Reflexão sobre a Catequese



“Tudo o que disseres, faze-o de tal forma que aquele te ouve, ouvindo, creia e, crendo espere e, esperando, ame”.
Santo Agostinho


Reflexão sobre a Catequese

Catequese é amadurecimento da fé, da esperança e da caridade numa caminhada permanente de crescimento da amizade com Deus e com os irmãos. È um processo que leva a vida toda. O papel da catequese é educar o cristão para que entenda com mais profundidade sua fé e assuma compromissos cada vez mais sinceros. É ajudar a cada um, para que saiba explicar os motivos de sua esperança, como nos diz o apóstolo Pedro: “antes santificai a Cristo, o Senhor, em vossos corações, estando sempre prontos para dar razão da vossa esperança a todo aquele que vo-la pede” (1 Pd 3,15).

A Catequese Renovada afirma que é necessária “uma educação permanente da fé, que acompanhe o homem por toda vida e se integre em seu crescimento global” (CR 26). Realmente, a catequese infantil que prepara para a eucaristia não é suficiente para o aprofundamento de toda a riqueza da vida cristã. Exige-se desde então formar seguidores de Cristo, que ouve o convite do Mestre (Mt 4,18-22).



Frente os ensinamentos de Jesus Cristo, agora a tarefa das comunidades cristãs foi a de preparar os futuros fiéis através de uma instrução completa e fundamental, tendo como objetivo, de algum modo, a ampliação de novos horizontes aprofundando ao mesmo tempo os conteúdos da Boa-Nova do Senhor ressuscitado. Estas instruções podem ser designadas de catequese, que evoca “ensinar à viva voz, onde, no entanto, o ensinamento não é outra coisa senão o eco de uma palavra que já foi pronunciada: a Palavra de Deus. Neste sentido, a catequese é em primeiro lugar o eco da Palavra de Deus através da voz do catequista. (BERARDINO, 2002, p. 237) No manual de catequética do CELAM, nos são apresentadas as fontes da catequese, onde o manancial por excelência é Palavra de Deus. “A fonte da qual a catequese haure sua mensagem é a palavra de Deus” (DGC 94). Contribuindo com a reflexão apresentada temos então o Diretório Geral de Catequese, classifica de fontes principais da catequese a Sagrada Escritura, a Tradição e o Magistério.


O termo Catequese está ligado ao verbo grego katechêo, que significa ressoar, tendo inicialmente o sentido de ensinamento oral. A dimensão da oralidade é algo de suma importância para uma melhor compreensão da história viva de um povo. Encontramos no Novo Testamento em algumas passagens bíblicas, a palavra catequese, com o sentido atual de instruir o crente nos fundamentos da doutrina cristã (cf. Lc 1, 4; Gl 6, 6; 1Cor 14, 19).

A catequese significa transmissão da doutrina a homens e mulheres em processo de formação, levando em conta a sua fase de infantil e adulta, por isso, vale ressaltar que o termo mais apropriado para se falar de uma ação na catequese é: “formação religiosa”, que nos remete sempre a reconhecer na sua orientação o direcionamento moral da fé, que podemos chamar de doutrina catequística[1]. Em sua característica fundamental a catequese se articula em torno de determinado número de elementos da missão pastoral da Igreja que têm um aspecto catequético e que preparam a catequese ou dela derivam: primeiro anúncio do Evangelho ou pregação missionária para suscitar a fé; buscar razões para crer; experiência de vida cristã; celebração dos sacramentos; integração na comunidade eclesial; testemunho apostólico e missionário (CaIC, 6).

Qual é então a Mensagem da Catequese? Se tratando da educação da fé viva, tomemos parte da carta de Paulo aos Romanos que nos diz: “Irmãos, se confessares com tua boca que Jesus é o Senhor e creres em teu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Pois quem crê de coração obtém a justiça, e quem confessa com a boca, a salvação” (10,9-10). A Mensagem transmitida é a mesma que os apóstolos e os primeiros Padres anunciaram pela Igreja: a fé que chega através da pregação e a pregação que torna viva a pessoa de Cristo, se realiza pelo anúncio de sua palavra. É em Cristo, homem redimido na Cruz, que Deus realiza o melhor plano de amor sobre existência cada um de nós e, por isso, que os Apóstolos pregam uma nova mensagem alegre que conduza à salvação a comunidade dos fiéis. Podemos verificar isto nos discursos púbicos de Pedro (At 2,22-36; 3,12-26; 4,8-12; 5,29-32; 10,34-43).

A catequese está estritamente ligada a Palavra de Deus, é desta fonte inesgotável de saber que se fundamenta toda a teologia da catequese, pois, é a partir dos testemunhos de fé que os primeiros cristãos, particularmente nos Atos dos Apóstolos e nas Epístolas paulinas, encontraram a base sobre a qual conseguiram fundamentar a vida da comunidade, também, nos aspectos litúrgicos e morais. Toda atividade na catequese deve brotar incessantemente da Bíblia, “sendo bom recordar que a Catequese será tanto mais rica e eficaz quanto mais ela ler os textos com a inteligência e o coração da Igreja, e quanto mais ela se inspira na reflexão e na vida duas vezes milenária da mesma Igreja” (CR 86)

Para melhor compreendermos a fundamentação teológica da catequese, é necessário destacar o ensinamento oral que fortaleceu ainda mais a grande evangelização apostólica. A primeira catequese sobre a qual temos informações precisas sobre a instrução na fé encontra-se na Didaché, que é uma manual de religião ou, melhor dizendo, uma espécie de catecismo dos primeiros cristãos. Este documento segundo estudiosos é fruto da reunião de várias fontes que retratam a tradição das comunidades do primeiro século. Sendo assim, a catequese anuncia a Palavra de Deus de um modo característico: dirige-se muito pessoalmente a seus ouvintes, não tendo a preocupação só com a transmissão, mas também se ocupa em valorizar a recepção.

[1] O termo doutrina catequética é muito utilizado pelo teólogo Josef Andréas Jungmann, que ao mencioná-lo vê como um modo mais prático de se transmitir a doutrina, levando em conta uma metodologia que considere os princípios de cada idade, ou seja, ela visa ajudar os catequistas a desenvolver aqueles conhecimentos, habilidades, técnicas e atitudes educacionais que são necessários para fazer uma catequese profunda e de qualidade.




Texto Produzido por: Padre RICARDO HENRIQUE OLIVEIRA SANTANA, Bacharel em Teologia na Universidade Católica do Salvador.

2 comentários:

  1. Caro, Pd Ricardo gostei muito do que escreveu. O trecho " a catequese é em primeiro lugar o ECO DA PALAVRA DE DEUS através da voz do catequista" me chamou muito atenção à responsabilidade que nós catequistas e também leigos temos com o trato desta palavra. Compreendo que devemos ser fiel a catequese de Jesus Cristo, o nosso mestre. Logo a catequese é o ministério do anuncio e principalmente do testemunho. Essa caminhada não é fácil, mas o Senhor nos anima com tua Palavra. (2Timóteo 4,5) " Tu porém sê prudente em tudo, paciente nos sofrimentos, cumpre a missão de pregador do evangelho consagra-te ao teu ministério".
    Louvor a Deus pelo ministério que Ele me confiou e peço que me capacite e me der força e coragem para continuar perseverando. Igualmente peço por todos os catequistas, que Jesus sempre seja a nossa inspiração. Amém

    ResponderExcluir
  2. Olá companheiro,
    Obrigado por aceitar o convite para colaborar com o blog da catequese. Parabéns pelo post! Você não gostaria de repetí-lo no blog da Catequese? Abraço!

    ResponderExcluir